|5. Patrimônio Mundial em perigo

A preservação e valorização do Patrimônio Mundial é uma necessidade vital para todos os povos. E todos devemos estar cientes dessa necessidade, pois o Patrimônio Mundial tem um Valor Universal Excepcional.


Nos últimos séculos, a humanidade perdeu grandes exemplos de seu Patrimônio Mundial por diversos motivos: conflitos armados, terrorismo, aquecimento global, falta de recursos e cuidados, industrialização, poluição, ignorância, indiferença ...


A Unesco trabalha para que as pessoas conheçam e cuidem do patrimônio da humanidade. Para ajudar a divulgar e preservar o Patrimônio Mundial, há uma lista das “maravilhas do mundo”. Atualmente, existem 1.121 bens inscritos na lista, dos quais 869 são bens culturais; 213 natural; 39 mistos, ou seja, possuem significativo valor natural e cultural; e outros 36 transnacionais, ou seja, bens culturais, naturais ou mistos encontrados em mais de um Estado.


O Comitê do Patrimônio Mundial publica, sempre que as circunstâncias o exigirem, a "Lista do Patrimônio Mundial em Perigo". Apenas podem figurar nesta lista os bens do patrimônio cultural e natural que estão ameaçados por perigos graves e precisos, como a ameaça de desaparecimento devido à deterioração acelerada, ou a grandes projetos de obras públicas ou privadas, rápido desenvolvimento urbano e turístico, destruição, abandono, conflito armado, catástrofes e cataclismos, incêndios, terremotos, deslizamentos de terra, erupções vulcânicas, mudanças nos níveis de água, inundações e tsunamis.


Dos 1.121 bens, 53 estão na lista do Patrimônio Mundial em Perigo. 36 são bens culturais e 17 são naturais.


A região do mundo com o maior número de bens ameaçados de extinção são os Estados Árabes, que detêm 40% do total, especificamente 21 bens culturais. Alguns exemplos são a Cidade Velha de Damasco, inscrita na lista do Patrimônio Mundial em Perigo desde 2013. A República Árabe Síria possui 6 bens culturais e todos eles estão em perigo.

 

O mesmo acontece com a Líbia. Os 5 bens culturais do Patrimônio Mundial que possui estão em perigo. Destacamos o sítio arqueológico de Cirene, uma das principais cidades do mundo grego, em perigo desde 2016.


Depois dos Estados Árabes, vem a África, com 30% do total de bens em perigo, incluindo 4 culturais e 12 naturais. Destacamos a Reserva de Fauna Okapis onde vivem espécies de primatas, aves ameaçadas de extinção e 5.000 okapis, mamífero da mesma família da girafa. Esta reserva, em perigo desde 1997, está localizada na República Democrática do Congo, cujos 5 bens naturais estão em perigo.


Em seguida vêm a Ásia e o Pacífico e a América Latina e o Caribe, com 11% dos bens mundiais em risco cada um.
Na Ásia e no Pacífico, existem 4 bens culturais e 2 naturais. Exemplos desses bens seriam a paisagem cultural e os vestígios arqueológicos do Vale de Bamiyan, no Afeganistão, em perigo desde 2003, e o Patrimônio Natural das florestas tropicais de Sumatra, na Indonésia, em perigo desde 2011.


A América Latina e o Caribe também têm 4 bens culturais e 2 naturais na lista do Patrimônio Mundial em perigo. Destacamos a cidade de Potosí, na Bolívia, em perigo desde 2014, e a Reserva da Biosfera do Rio Plátano, em Honduras, um dos poucos vestígios de floresta tropical da América Central, na lista do Patrimônio Mundial em perigo desde 2011.


Por fim, a Europa e a América do Norte têm 3 bens culturais e 1 natural nesta lista, especificamente 8% do total de todos os bens em risco. Exemplos seriam o Centro Histórico de Viena, na Áustria, em perigo desde 2017 e o Parque Nacional Everglades, nos Estados Unidos, na lista desde 2010.


A inscrição na Lista do Patrimônio Mundial em Perigo não é uma sanção, pois muitas vezes serve para atrair a atenção internacional e obter assistência eficaz para necessidades específicas de conservação.


Se um sítio perder as características pelas quais foi inscrito na Lista do Patrimônio Mundial, o Comitê pode decidir removê-lo tanto da Lista do Patrimônio Mundial em Perigo quanto da Lista do Patrimônio Mundial. Até o momento, dois bens foram excluídos: o Santuário do Órix Árabe em Omã, em 2007; e a paisagem cultural do Vale do Elba em Dresden, Alemanha, excluída em 2009.


Juntos devemos conservar esses bens que têm um Valor Universal Excepcional e constituem uma parte intrínseca da civilização mundial.