|Objetivo 11: tornar as cidades mais inclusivas, seguras, resilientes e sustentáveis

O mundo está cada vez mais urbanizado. Desde 2007, mais da metade da população mundial vive em cidades e espera-se que esse número aumente para 60% até 2030.

Cidades e áreas metropolitanas são potências de crescimento econômico, contribuindo com cerca de 60% do PIB mundial. No entanto, eles também respondem por cerca de 70% das emissões globais de carbono e mais de 60% do uso de recursos.

A rápida urbanização está resultando em um número crescente de pessoas vivendo em favelas, infraestrutura e serviços inadequados e sobrecarregados (como coleta de lixo e sistemas de água e saneamento, estradas e transporte), o que está piorando a poluição do ar e o crescimento urbano descontrolado.

O impacto da COVID-19 será mais devastador em áreas urbanas pobres e densamente povoadas, especialmente para 1 bilhão de pessoas que vivem em assentamentos informais e favelas em todo o mundo, onde a superlotação também torna difícil cumprir as medidas recomendadas, como o distanciamento social e auto-isolamento.

A agência de alimentos das Nações Unidas, FAO, alertou que a fome e as mortes podem aumentar significativamente nas áreas urbanas que carecem de medidas para garantir que os moradores pobres e vulneráveis ​​tenham acesso aos alimentos .

Faixa.png
covid19_response_logo_horizontal_april_2020-01.png

As cidades estão na linha de frente da luta contra a pandemia e seus efeitos duradouros. Em todo o mundo, a COVID-19 está ameaçando cidades e comunidades, colocando em risco não apenas a saúde pública, mas também a economia e o tecido social.

UN-Habitat, a agência das Nações Unidas para habitação e desenvolvimento urbano, está trabalhando com governos em nível nacional e local para ajudá-los a se preparar, prevenir, responder e se recuperar da pandemia COVID-19. O Plano de Resposta UN-Habitat COVID-19 visa:

  • Apoie governos locais e soluções comunitárias em assentamentos informais.

  • Fornece dados urbanos, esquemas e percepções baseadas em evidências para tomar decisões informadas.

  • Mitigar o impacto econômico e iniciar a recuperação.

A estrutura normativa e programática do UN-Habitat COVID-19 fornece orientação para a ação nos níveis global, regional e nacional.

A Comissão Econômica das Nações Unidas para a África propôs apoio específico aos governos municipais com o objetivo de mitigar e responder aos efeitos econômicos do COVID-19. As cidades africanas representam mais de 50% do PIB da região, e o COVID-19 provavelmente atingirá duramente as cidades africanas com quedas acentuadas na produtividade, emprego e renda

Faixa.png

|Dados Notáveis 

  • Metade da humanidade, 3,5 bilhões de pessoas, vive em cidades hoje, e esse número deve aumentar para 5 bilhões até 2030.

  • 95% da expansão do solo urbano nas próximas décadas ocorrerá no mundo em desenvolvimento.

  • Atualmente, 883 milhões de pessoas vivem em favelas e a maioria está no Leste e Sudeste Asiático.

  • As cidades do mundo ocupam apenas 3% da Terra, mas são responsáveis ​​por 60% a 80% do consumo de energia e 75% das emissões de carbono.

  • A rápida urbanização está pressionando o abastecimento de água doce, as águas residuais, o meio ambiente e a saúde pública.

  • Desde 2016, 90% dos moradores da cidade respiraram ar que não atendia aos padrões de segurança da Organização Mundial da Saúde, causando um total de 4,2 milhões de mortes devido à poluição do ar. Mais da metade da população urbana mundial foi exposta a níveis de poluição do ar pelo menos 2,5 vezes maiores do que o padrão de segurança.

|Meta 11

11.1 Até 2030, garantir o acesso de todos a habitação e serviços básicos adequados, seguros e acessíveis e melhorar as favelas

11.2 Até 2030, fornecer acesso a sistemas de transporte seguros, baratos, acessíveis e sustentáveis ​​para todos e melhorar a segurança no trânsito, em particular pela expansão do transporte público, prestando atenção especial às necessidades das pessoas em situações vulneráveis, mulheres, crianças, pessoas com deficiência e os idosos

11.3 Até 2030, aumentar a urbanização inclusiva e sustentável e a capacidade de planejamento e gestão participativos, integrados e sustentáveis ​​de assentamentos humanos em todos os países

11.4 Redobrar esforços para proteger e salvaguardar o patrimônio cultural e natural do mundo

11.5 Até 2030, reduzir significativamente o número de mortes e pessoas afetadas por desastres, incluindo aqueles relacionados à água, e reduzir significativamente as perdas econômicas diretas de desastres em comparação com o produto interno bruto global, com ênfase particular na proteção dos pobres e pessoas em situações vulneráveis

11.6 Até 2030, reduzir o impacto ambiental per capita negativo das cidades, prestando especial atenção à qualidade do ar e à gestão de resíduos municipais e outros

11.7 Até 2030, fornecer acesso universal a áreas verdes e espaços públicos seguros, inclusivos e acessíveis, em particular para mulheres e crianças, idosos e pessoas com deficiência

11.a Apoiar ligações econômicas, sociais e ambientais positivas entre as áreas urbanas, periurbanas e rurais, fortalecendo o planejamento de desenvolvimento nacional e regional

11.b Até 2020, aumentar significativamente o número de cidades e assentamentos humanos que adotam e implementam políticas e planos integrados para promover a inclusão, o uso eficiente de recursos, mitigação e adaptação às mudanças climáticas e resiliência ao risco de desastres, e desenvolver e implementar, em linha com o Quadro Sendai para Redução do Risco de Desastres 2015-2030, gestão abrangente do risco de desastres em todos os níveis

11.c Fornecer apoio aos países menos desenvolvidos, inclusive por meio de assistência técnica e financeira, para capacitá-los a construir edifícios sustentáveis ​​e resilientes usando materiais locais