|Meta 17: Revitalizar a Parceria Global para o Desenvolvimento Sustentável

Os ODS só podem ser alcançados com fortes parcerias e cooperação globais.

A conclusão bem-sucedida de uma agenda de desenvolvimento requer parcerias inclusivas (globais, regionais, nacionais e locais) em princípios e valores, bem como uma visão compartilhada e objetivos que se concentram primeiro nas pessoas e no planeta.

Muitos países requerem assistência oficial ao desenvolvimento para promover o crescimento e o comércio. Ainda assim, os níveis de ajuda estão diminuindo e os países doadores falharam em honrar seu compromisso de aumentar o financiamento para o desenvolvimento.

Devido à pandemia COVID-19, a economia global deverá contrair acentuadamente, em 3%, em 2020, o que constituiria sua pior recessão desde a Grande Depressão.

Agora, mais do que nunca, é necessária uma forte cooperação internacional para garantir que os países com meios para se recuperar da pandemia se reconstruam melhor e alcancem os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Faixa.png
covid19_response_logo_horizontal_april_2020-01.png

Nenhum país pode superar esta pandemia sozinho. A solidariedade em nível global não é apenas um imperativo moral, mas também do interesse de todos.

O Secretário-Geral das Nações Unidas emitiu uma série de resumos de políticas que apresentam uma visão de como a comunidade internacional pode fornecer uma resposta eficaz e coordenada ao COVID-19 , garantindo ao mesmo tempo manter as populações mais vulneráveis ​​como prioridade. Os resumos de políticas compilam análises de diferentes agências do sistema das Nações Unidas e fornecem aos Estados-Membros ideias concretas sobre como lidar com as consequências e até mesmo aproveitar oportunidades em meio à crise.

Uma reunião de alto nível convocada pelo Canadá, Jamaica e as Nações Unidas em 28 de maio reuniu governos e organizações internacionais para refinar e acelerar nossa resposta global aos efeitos econômicos e humanos significativos do COVID-19, e para propor soluções concretas para o desenvolvimento emergência.

A maioria dos países em desenvolvimento não tem recursos nacionais e espaço fiscal suficientes para financiar uma resposta ao COVID-19 e medidas de recuperação adequadas. A cooperação internacional e o financiamento externo são cruciais.

Particularmente alarmante é a possibilidade de uma nova crise da dívida, exacerbada pelos preços escalonados do petróleo e de outras commodities, atingindo os países menos desenvolvidos, que já estavam sob alto risco de superendividamento. As Nações Unidas exigem direitos de saque especiais para alívio da dívida e a extensão da moratória da dívida para todos os países em desenvolvimento.

O Relatório de Financiamento para o Desenvolvimento Sustentável de 2020 detalha medidas para enfrentar o impacto da recessão global emergente e da crise financeira, especialmente nos países mais pobres do mundo, com base em pesquisas e análises conjuntas conduzidas por mais de 60 agências das Nações Unidas, instituições internacionais e unidas.

Para apoiar os esforços em países de baixa e média renda, o Secretário-Geral das Nações Unidas lançou um Fundo Fiduciário de Resposta e Recuperação das Nações Unidas .

Além disso, as Nações Unidas desenvolveram um Plano de Resposta Humanitária Global para ajudar as populações mais vulneráveis, incluindo refugiados e pessoas deslocadas internamente.

Além disso, a Organização Mundial da Saúde (OMS), a Fundação das Nações Unidas e seus parceiros lançaram um Fundo de Resposta Solidária , o primeiro desse tipo, para permitir que empresas e indivíduos contribuam diretamente para a resposta da OMS ao COVID-19.

Projetado para abordar as questões de acesso oportuno e aberto aos principais dados necessários aos governos e todos os setores da sociedade para responder à crise global do COVID-19, este portal das Nações Unidas fornece um espaço para a comunidade estatística internacional compartilhar diretrizes, medidas, ferramentas e melhores práticas para assegurar a continuidade operacional dos programas de dados dos institutos nacionais de estatística.

Para combater o crescente flagelo da desinformação a respeito do COVID-19, as Nações Unidas lançaram a iniciativa Verified , destinada a aumentar o volume e o escopo de informações confiáveis ​​e precisas sobre três tópicos: ciência (para salvar vidas), solidariedade (para promover a cooperação local e globalmente) e soluções (para promover o apoio às populações afetadas).

Faixa.png

|Dados Notáveis 

  • A assistência oficial ao desenvolvimento foi de US $ 135,2 trilhões em 2014, o nível mais alto já alcançado.

  • Setenta e nove por cento das importações dos países em desenvolvimento entram nos países desenvolvidos com isenção de impostos.

  • O peso da dívida dos países em desenvolvimento permanece estável em cerca de 3% das receitas de exportação.

  • O número de usuários da Internet na África quase dobrou nos últimos quatro anos.

  • 30% dos jovens do mundo são nativos digitais, ativos online há pelo menos cinco anos.

  • Mas mais de quatro bilhões de pessoas não usam a Internet, e 90% delas são do mundo em desenvolvimento.

|Meta 17

Finança

17.1 Fortalecer a mobilização de recursos internos, inclusive por meio de apoio internacional aos países em desenvolvimento, para aumentar a capacidade nacional de arrecadar impostos e outras receitas

17.2 Garantir que os países desenvolvidos cumpram plenamente seus compromissos de assistência oficial ao desenvolvimento, incluindo o compromisso de muitos países desenvolvidos de cumprir a meta de 0,7% da receita nacional bruta para a assistência oficial ao desenvolvimento dos países em desenvolvimento e entre 0,15% e 0,20% da receita nacional bruta para assistência oficial ao desenvolvimento para os países menos desenvolvidos; Os provedores de assistência oficial ao desenvolvimento são encorajados a considerar a definição de uma meta de alocar pelo menos 0,20% da renda nacional bruta para a assistência oficial ao desenvolvimento para os países menos desenvolvidos

17.3 Mobilizar recursos financeiros adicionais de fontes múltiplas para os países em desenvolvimento

17.4 Ajudar os países em desenvolvimento a alcançar a sustentabilidade da dívida de longo prazo com políticas coordenadas destinadas a promover o financiamento da dívida, o alívio da dívida e a reestruturação, conforme apropriado, e lidar com a dívida externa de países muito pobres.

17.5 Adotar e implementar sistemas de promoção de investimentos em favor dos países menos desenvolvidos

Tecnologia

17.6 Melhorar a cooperação regional e internacional Norte-Sul, Sul-Sul e triangular em ciência, tecnologia e inovação e o acesso a elas, e aumentar a troca de conhecimento sob condições mutuamente acordadas, inclusive melhorando a coordenação entre os mecanismos existentes, particularmente nas Nações Unidas nível, e por meio de um mecanismo de câmara de compensação de tecnologia global

17.7 Promover o desenvolvimento de tecnologias ambientalmente saudáveis ​​e sua transferência, disseminação e disseminação para países em desenvolvimento sob condições favoráveis, incluindo condições concessionais e preferenciais, conforme mutuamente acordado

17.8 Operacionalizar totalmente, até 2017, o banco de tecnologia e o mecanismo de apoio à capacitação em ciência, tecnologia e inovação para os países menos desenvolvidos e aumentar o uso de tecnologias facilitadoras, em particular tecnologias de informação e comunicação

Capacitação

17.9 Aumentar o apoio internacional para atividades de capacitação eficazes e direcionadas nos países em desenvolvimento para apoiar os planos nacionais para a implementação de todos os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, incluindo através da cooperação Norte-Sul, Sul-Sul e triangular

Comércio

17.10 Promover um sistema comercial multilateral universal, baseado em regras, aberto, não discriminatório e equitativo no âmbito da Organização Mundial do Comércio, inclusive por meio da conclusão das negociações no âmbito da Agenda de Desenvolvimento de Doha

17.11 Aumentar significativamente as exportações dos países em desenvolvimento, em particular com o objetivo de dobrar a participação dos países menos desenvolvidos nas exportações mundiais até 2020

17.12 Atingir a obtenção oportuna de acesso ao mercado livre de direitos e de cotas de forma duradoura para todos os países menos desenvolvidos, de acordo com as decisões da Organização Mundial do Comércio, incluindo a garantia de que as regras de origem preferenciais aplicáveis ​​às importações de países menos desenvolvidos são transparentes e diretos e ajudam a facilitar o acesso ao mercado

Problemas sistêmicos

Coerência normativa e institucional

17.13 Aumentar a estabilidade macroeconômica global, inclusive por meio de coordenação e coerência de políticas

17.14 Melhorar a coerência das políticas para o desenvolvimento sustentável

17.15 Respeitar o espaço regulatório e a liderança de cada país para estabelecer e aplicar políticas para erradicação da pobreza e desenvolvimento sustentável

Parcerias com múltiplas partes interessadas

17.16 Aprimorar a Parceria Global para o Desenvolvimento Sustentável, complementada por parcerias com múltiplas partes interessadas que mobilizam e compartilham conhecimento, experiência, tecnologia e recursos financeiros, para apoiar a realização dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável em todos os países, especialmente os países em desenvolvimento

17.17 Incentivar e promover o estabelecimento de alianças efetivas nas esferas pública, público-privada e da sociedade civil, aproveitando a experiência e as estratégias de captação de recursos das alianças

Dados, monitoramento e responsabilidade

17.18 Até 2020, aumentar o apoio à capacitação de países em desenvolvimento, incluindo países menos desenvolvidos e pequenos Estados insulares em desenvolvimento, para aumentar significativamente a disponibilidade de dados de alta qualidade, confiáveis ​​e oportunos desagregados por renda, sexo, idade, raça, origem étnica, status de imigração, deficiência, localização geográfica e outras características relevantes para os contextos nacionais

17.19 Até 2030, aproveitar as iniciativas existentes para desenvolver indicadores
para medir o progresso no desenvolvimento sustentável e complementar o produto interno bruto, e apoiar a capacitação estatística nos países em desenvolvimento