|Meta 10: reduzir a desigualdade dentro e entre os países

Reduzir as desigualdades e garantir que ninguém seja deixado para trás é parte integrante do cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

A desigualdade dentro e entre os países é uma preocupação constante. Apesar da existência de alguns sinais positivos para a redução da desigualdade em algumas dimensões, como a redução da desigualdade de renda em alguns países e a situação comercial preferencial que beneficia os países de baixa renda, a desigualdade ainda persiste .

COVID-19 exacerbou as desigualdades existentes, atingindo com mais força as comunidades pobres e vulneráveis. Expôs as desigualdades econômicas e as frágeis redes de segurança social que fazem com que as comunidades vulneráveis ​​sofram as consequências da crise. Ao mesmo tempo, as desigualdades sociais, políticas e econômicas ampliaram os efeitos da pandemia.

Na frente econômica, a pandemia COVID-19 aumentou significativamente o desemprego global e reduziu a renda dos trabalhadores.

A COVID-19 também coloca em risco o progresso limitado que foi feito em igualdade de gênero e direitos das mulheres nas últimas décadas. Em praticamente todas as áreas, da saúde à economia, da segurança à proteção social, os efeitos da COVID-19 agravaram a situação das mulheres e meninas simplesmente por causa de seu sexo.

As desigualdades também estão aumentando para as populações vulneráveis em países com sistemas de saúde piores e em países que enfrentam crises humanitárias existentes. Refugiados e migrantes, bem como povos indígenas, idosos, pessoas com deficiência e crianças correm especialmente o risco de serem excluídos. Além disso, o discurso de ódio dirigido a grupos vulneráveis ​​está em alta.

Faixa.png
covid19_response_logo_horizontal_april_2020-01.png

COVID-19 não está apenas desafiando os sistemas de saúde em todo o mundo, mas também testando nossa humanidade comum. O Secretário-Geral das Nações Unidas fez um apelo à solidariedade com as populações mais pobres e vulneráveis ​​do mundo, que precisam urgentemente de ajuda para responder à pior crise econômica e social em gerações. “Agora é a hora de cumprir nosso compromisso de não deixar ninguém para trás”, disse o Secretário-Geral .

Para garantir que as pessoas em todo o mundo tenham acesso a serviços essenciais e proteção social, as Nações Unidas apelaram a um reforço extraordinário do apoio internacional e do compromisso político, incluindo o aumento do financiamento através do Fundo das Nações Unidas. COVID-19 Response and Recovery, que visa para apoiar países de baixa e média renda, bem como grupos vulneráveis ​​que estão sofrendo desproporcionalmente com os efeitos socioeconômicos da pandemia.

Este momento de crise também deve ser aproveitado como uma oportunidade para investir em políticas e instituições que possam reverter o quadro de desigualdade . Aproveitar um momento em que as políticas e normas sociais podem ser mais maleáveis ​​do que em tempos normais e tomar medidas radicais para enfrentar as desigualdades que esta crise expôs pode levar o mundo de volta aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Você tem mais informações (em inglês), na página sobre o Objetivo do mês .

Faixa.png

|Dados Notáveis 

  • Em 2016, mais de 64,4% dos produtos exportados por países em desenvolvimento para os mercados mundiais enfrentaram tarifas zero, um aumento de 20% em relação a 2010.

  • Evidências de países em desenvolvimento mostram que crianças nos 20% mais pobres da população têm até três vezes mais probabilidade de morrer antes de seu quinto aniversário do que crianças nos quintis mais ricos.

  • A proteção social se espalhou significativamente pelo mundo. No entanto, as pessoas com deficiência têm até cinco vezes mais probabilidade de enfrentar despesas catastróficas com saúde.

  • Apesar do declínio geral da mortalidade materna, as mulheres rurais na maioria dos países em desenvolvimento têm até três vezes mais probabilidade de morrer no parto do que as mulheres que vivem em centros urbanos.

  • Até 30% da desigualdade de renda se deve à desigualdade dentro das próprias famílias, inclusive entre mulheres e homens. Além disso, as mulheres têm mais probabilidade do que os homens de viver abaixo de 50% da renda média.

|Meta 10

10.1 Até 2030, alcançar e manter progressivamente o crescimento da renda dos 40% mais pobres da população a uma taxa superior à média nacional

10.2 Até 2030, capacitar e promover a inclusão social, econômica e política de todas as pessoas, independentemente de sua idade, sexo, deficiência, raça, etnia, origem, religião ou situação econômica ou outra condição

10.3 Garantir oportunidades iguais e reduzir a desigualdade de resultados, incluindo a eliminação de leis, políticas e práticas discriminatórias e a promoção de legislação, políticas e medidas adequadas a esse respeito

10.4 Adotar políticas, especialmente fiscais, salariais e de proteção social, e alcançar progressivamente maior igualdade

10.5 Melhorar a regulamentação e supervisão dos mercados e instituições financeiras globais e fortalecer a aplicação dessas regulamentações

10.6 Garantir maior representação e envolvimento dos países em desenvolvimento nas decisões tomadas por instituições econômicas e financeiras internacionais para aumentar a eficácia, confiabilidade, responsabilidade e legitimidade dessas instituições

10.7 Facilitar a migração ordenada, segura, regular e responsável e a mobilidade de pessoas, incluindo através da implementação de políticas de migração planejadas e bem gerenciadas

10.a Aplicar o princípio de tratamento especial e diferenciado para os países em desenvolvimento, em particular os países menos desenvolvidos, em conformidade com os acordos da Organização Mundial do Comércio

10.b Encorajar a ajuda oficial ao desenvolvimento e os fluxos financeiros, incluindo o investimento estrangeiro direto, para os Estados com as maiores necessidades, em particular os países menos desenvolvidos, os países africanos, os pequenos Estados insulares em desenvolvimento e os países em desenvolvimento sem litoral, de acordo com seus planos e programas nacionais

10.c Até 2030, reduza os custos de transação das remessas de migrantes para menos de 3% e elimine os corredores de remessas que custam mais de 5%